fbpx

O professor do Programa de Pós-Graduação em Política Social e Direitos Humanos (PPGPSDH) e do curso de Direito da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), Luiz Antônio Bogo Chies, lançou o livro “O caudilhismo criminal na América do Sul – traduzido, comentado e interpretado”. A obra, construída em conjunto com o docente da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Marcelo Mayora, e com a egressa da instituição, Mirenchu Maitena, analisa o ensaio do jornalista e dramaturgo uruguaio Florencio Sánchez. 

Pesquisador na área da sociologia da punição, o docente da Católica de Pelotas conta que ao estudar sobre a prática da degola no Rio Grande do Sul, adquiriu o livro “O caudilhismo criminal na América do Sul” de Florencio Sánchez. Segundo Chies o docente da Unipampa estava, no mesmo período, analisando aspectos relacionados ao personagem principal do texto, um caudilho de Sant´Ana do Livramento, o que estimulou o trabalho conjunto. “Por estarmos ambos interessados no tema, tivemos a ideia de traduzir e comentar a obra, até mesmo para que se tornasse mais acessível ao público (em especial estudantes e pesquisadores) brasileiro”, destaca o professor da UCPel.

Conexões 

A tradução e os comentários ao texto de Sánchez, explica o docente do PPGPSDH,  nesse primeiro momento, tiveram como foco dar visibilidade à obra como um documento histórico e resgatar um período e contexto relevantes na história das instituições de controle social e penal no Rio Grande do Sul.Chies afirma que na análise é possível “vislumbrar conexões do passado com o presente, mas o aprofundamento no estudo dessas conexões será uma próxima etapa das pesquisas”.

A publicação da análise da obra do jornalista uruguaio, escrita no fim do século XIX, é resultado da colaboração entre o Grupo Interdisciplinar de Trabalho e Estudos Criminais-Penitenciários (GITEP), da Católica, e do Núcleo do Pampa de Criminologia, da Unipampa. O livro em formato de e-book pode ser acessado de graça no site do projeto editorial Adentro e Através.

 

 

Redação: Alessandra Senna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *